• André Santos

Resenha: Agenda 21 da banda Crown Of Scorn, gringos carregados de influências Brasileiras nos vocais


Hoje me encontro com quarenta anos, e quando descobrir este universo fantástico do Metal ainda na minha adolescência. Me deparo com muita evolução deste presente e futuro passado e com isso bandas vem conquistando seus espaços. Acredito que tenho acompanhado ou até mesmo perdido muitas coisas, pois nesse mundo da música pesada, exige muito séquito para estar dentro de muitas informações, só que no passado não tínhamos tantos dados assim de forma tão fácil em mãos como encontramos nós dias de hoje.

No passado, reputar-se à disposição e depender de notícias, revistas e fanzine especializadas no gênero, nesta época vi bandas ganhando seus devidos espaços e se solidificando e até mesmo, algumas delas levando a nossa cena e nome para fora do Pais. Umas sobreviveram e outra não, mais isso é um acaso a parte devido a logística e até mesmo as condições que a nossa pátria amada tinha as nós oferecer. Mais deixamos os problemas de lado e voltamos a linha de pensamentos, algumas bandas em nosso cenário conseguiram ser expoente do metal Brasileiro lá fora, com isso ganhando respeito e admiração de Headbangers mundiais.

Com todas facilidades da tecnologia que nós encontramos hoje, acredito que os músicos passaram a ter mais acesso e conhecimento de instrumentos e equipamentos, dando habilitações necessárias para desempenhar seu papel. Onde algumas encontraram e acabaram se destacando “ não que seja fácil “ mas com isso temos Brasileiros levando, expondo a nossa cena metal nacional. E ai que surge um dos nomes “ Crown Of Scron “ fundada em 2012 pelo ‘ Allyan Lopes ‘ juntamente com quatros “ Sul Africanos “ após alguns ajustes dos últimos detalhes para o lançamento que se deu em 2014 seu primeiro álbum intitulado “ Agenda 21 “. Atraindo apreciadores de música pesada, com doses homeopática de cadência, cheio de grooves e melodias refinadas, peso e técnica onde podemos tomar conhecimento da sonoridade com riffs fortes, trazendo uma linha harmoniosa natural ao seu som, onde bangear é inevitável.

Agenda 21, abre com a faixa “ Depopulation Proccess” trás um andamento muito bruto e agressivo com passagens pesadas se alternando com cadência e dando a sequência o álbum a faixa “ Bullets Firts “se destoando com firmeza repletos de riffs e fleeings melódicos . Dando andamento à audição seguimos com a faixa “ Corporatocracy “ de fúria e energia intensa que o vocal conduz juntamente com riffs esmagadores, faixas como “ Earth Is No More “, “Sustainable Developments“ , “ Blood For Curreney “,” ...Or Be Destroved “, “ Crown Of Scorn “.O álbum em um todo se destaca demonstrando e ditando sua proposta, nós remetendo um trabalho coeso de intensidade e variações carecterística .

#ResenhasdeDiscos #CrownOfScorn #Bandas #AndréSantos

As opiniões expressas nesse site são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião de seus editores.

Site criado por JP Carvalho da JPGraphix, para Metal No Papel 2017 / 2020 - Todos os direitos reservados.

O site Metal no Papel tem sede à Rua Joaquim do Lago, 339 Casa - Balneário Mar Paulista, São Paulo, SP

CEP: 04463 - 080 - mnp.metalnopapel@gmail.com