• Andre Santos

Resenha: States of Tragedy (2015) - Jailor


Mixagem: Maiko Thomé Araujo & Avant Garde Studios, Curitiba/PR

Fotos: Marcele Faret

Digitação gráfica: Anderson L.A (Natureza Morta)

Composições: Jailor

Formada em sua cidade natal Curitiba/PR, em 1998, Jailor estão há dezoito anos com o pé na estrada em um propósito bem claro: criar seu próprio som calçadas na origem do gênero Thrash Metal, com composições e arranjos modernos, tornando sua sonoridade bem marcante.

Na trajetória de dezoito anos de estrada, o Jailor traz em sua bagagem musical duas demos de trabalho. Com isso logo em seguida veio um álbum de registros em novo formato de mídia “SMD”, lançado em 2005, intitulado como “Evil Corrupts”. Conforme o tempo, a banda achou a necessidade de extraí uma sonoridade mais bruta, visando o processo de composições de suas canções, obtendo um desempenho ainda melhor com a nova fase do Jailor, onde podemos sentir esse impacto na sonoridade de “Stats of Tragedy” lançado em Novembro de 2015.

O resultado das mudanças desse 2º registro está presente em oitos faixas e mais um interlúdio que abre audição, recriando o próprio inferno na terra ou mesmo em nosso País. Gravadas no ‘Avant Garde Studios por Maiko Thomé, a capa traz a assinatura de Anderson L.A. Nesse trabalho encontramos boas doses de Thrash Metal em todas as oito faixas, acrescentando muito peso ao seu som bem característico.

Com as primeiras audições, já podemos ter a verdadeira noção do que a banda aprontou. Praticamente o Jailor não deixa um segundo sequer para o ouvinte tomar folego, fazendo a alegria dos mais afetos a essa sonoridade. As composições versam em sua maioria para os tradicionais temas de bandas do estilo, com muitas críticas e demais formas de intolerância, porém algumas se sobressaem nesse sentido como a ótima “The Need of Perpetual Conflict”.

E claro que dentro dessas composições registradas no “Stats of Tragedy”, podemos encontrar destaques impossíveis de citar como o próprio interlúdio que se destaca pela narração da intolerância, que é o cartão de visita perfeito para o que vão encontrar dentro desse full-Length. “Human Unbering” e a própria “Stats of Tragedy”, são exemplos perfeitos, de combinar melodias velozes e cadenciadas, tudo isso dando muito peso acima do comum em suas composições.

A terceira audição fica por conta da poderosíssima”Throne of Devil”, que vem seguida logo por “Merciless Punishment”, as duas podem se destacar como umas das faixas mais fortes do álbum, sendo muito presentes com melodias extremamente refinadas sem deixar o peso brutal de lado, com extração de ritmos bem contagiantes.

Mas as duas faixas “Ephermeral Property” e a “Six Six Sickness”, que fecham o ‘Petardo’ chega a surpreender desencadeando muita brutalidade sonora absurda, não deixando pedra sobre pedra, demonstrando extremamente velozes, mas tudo sem perder em momento algum o peso tradicional do Thrash Metal, com uma levada bem diferenciada tornando a sua sonoridade bem peculiar.

Tudo que indica é que os próximos anos da banda serão de completa afirmação, os mesmo já demonstram como se faz Metal Nacional de imensa qualidade.

Line – Up:

Flávio Wyrwa – Vocal

Alessandro Guima – Guitarra/ Backvocal

Daniel Hartkopf – Guitarra

Ermeson Niederauer – Baixo

Jefferson Verdani – Bateria

Tracklist:

1. G.O.D.

2. Human Unbeing

3. Stats of Tragedy

4. Throne of Devil

5. Merciless Punishment

6. Jesus Crisis

7. The Need of Perpetual Conflict

8. Ephemeral Property

9. Six Six Sickness

Links oficiais:

https://www.facebook.com/jailorthrash/

#AndréSantos #Álbuns #Bandas #Jailor #ThrashMetal #Resenhas

As opiniões expressas nesse site são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião de seus editores.

Site criado por JP Carvalho da JPGraphix, para Metal No Papel 2017 / 2020 - Todos os direitos reservados.

O site Metal no Papel tem sede à Rua Joaquim do Lago, 339 Casa - Balneário Mar Paulista, São Paulo, SP

CEP: 04463 - 080 - mnp.metalnopapel@gmail.com