• Andre Santos

THROUGH THE PATHS OF HELL - disco de apresentação da banda Hellpath


Ms Metal Records

Nacional

Não só criatividade e produção que é a fórmula correta de se lançar um álbum, mas todo o conjunto lírico desenvolvido para estar presente em um “Petardo”, é o que condiz em dizer se é um álbum bom ou ruim. E às vezes, estes projetos tem que ser impactante, empolgante e trazer uma boa diversidade para se destacar entre tantas bandas. Hellpath, além de trazer esses atributos, o quinteto sabe trabalhar muito bem o tradicional Heavy Metal, misturado às vertentes mais extremas como Death e o Thrash Metal, que se funde a uma música coesa, porém bem arranjada e diferenciada. E digamos de passagem, o quinteto Hellpath, de Londrina/PR, demonstra muita criatividade, pois bebe de diversas fontes com muita propriedade.

Through the Paths of Hell é o primeiro registro em disco, com canções bem elaboradas.

O quinteto apresenta um Metal forte e vigoroso, mas, bem tocado. Já a personalidade musical da banda pulsa em composições enérgicas e envolventes com aquela adrenalina Rock’n Roll, com boas doses de criatividades aliadas a muita agressividade, mas sempre primando por linhas melódicas. E o pessoal da Ms Metal Records, percebendo o feito do quinteto, se une a banda lançando o seu primeiro título Through the Paths of Hell.

O álbum foi gravado no Organic Digital Audio, em Londrina/PR. Já a produção, mixagem e a masterização ficou a cargo da própria banda, resultando que Through the Paths of Hell, soe limpo e homogêneo, pesado e forte, com timbragens bem encaixadas, dando um ótimo aspecto ao seu primeiro projeto. Já o conceito da arte desenvolvida para capa, abrange a destruição causada pelas atitudes da sociedade. Tudo pensado e elaborado pelo Richard Felix (guitarrista da banda e Designer), arte refletida nas composições do quinteto.

Pois bem, o álbum Through the Paths of Hell pode agradar tanto os fãs mais exigentes e ortodoxos, tanto os “Metalheads” dessa nova geração. E, o disco é bem versátil, melodioso, forte e bem enraizado nas vertentes do Metal, tudo aliado a um bom arranjo, unidos a boa técnica musical, fora o peso absurdo que o quinteto extrai de suas músicas, assim como os vocais de Thiago Müller, que trabalham entre os guturais, que se alterna com urros rasgados e melodiosos, que dão um destaque enorme ao conjunto lírico do álbum.

Já no requisito lírico, o “Petardo” já começa bem caprichado, pois “Liar” inicia de forma chamativa por seus elementos, peso e técnica extremamente equilibrados, bases e solos de primeira e por sinal de muito bom gosto, afiadíssimos. Em seguida, temos a “Seven Dealy Sins”, que traz um som mais porrada, aliados a arranjos de cair o queixo (bateria e baixo se sobressaem muito no contexto lírico).

Já a terceira faixa fica por conta de “Self-Respect”, ela já tem um jeitão mais Heavy Metal, tendo aquela pegada de bases e duetos em suas linhas líricas. Na sequência, a quarta faixa abre com uma intro de disparos e rajadas de armas de fogo, que representa a composição “War” ótima faixa. Sua elaboração e técnica são primorosas. “Underworld”, soa com uma máquina movida a Rock’n Roll, mas com pitadas ácidas que cativa em instante (cuidado você pode ser pego agitando muito por seu embalo envolvente).

E para levantar o clima do disco temos a “The Chamber”, que vem de um belo soco nos tímpanos (arranjos ótimos unidos a muita agressividade). “Caged in a Blackened Future”, outra canção grandiosa. Suas harmonias são ótimas, tudo aliado a jogos de vozes que se destacam bastante na condução, fora os duetos e solos bem encaixados. Uma bela intro de elementos naturais abre a “Nature’s Revenge”, outra que se destaca por todo o seu conjunto lírico.

Seguindo para o fechamento do “Petardo”, temos duas surradeira como a “Blood e Rage & Fire”, que se destaca por suas harmonias “Hellpath”, porrada pura.

Não tenho muito o que falar do álbum, só me resta parabenizar o quinteto Hellpath, pois o seu disco Through the Paths of Hell, sem dúvidas é uma obra prazerosa de se ouvir. Agora fico imaginando que, se foi um disco de estréia e já teve esta preocupação de se, sair um trabalho excelente,os próximos então vão dar o que falar.

Tracklist:

1. Liar

2. Seven Dealy Sins

3. Self-Respect

4. War

5. Underworld

6. The Chamber

7. Caged in a Blackened Future

8. Nature’s Revenge

9. Blood, Rage & Fire

10. Hellpath

Hellpath:

Thiago Müller - vocal

Richard Felix - guitarra

Rafael Neves - guitarra

Willian Cruz - baixo

Rodolfo Pacheco - bateria

Contatos:

Facebook

Website

Youtube

Soundcloud

#AndreSantos #Álbum #Bandas #Hellpath #HeavyMetal #ThrashMetal #DeathMetal #Resenhas #ResenhasdeDiscos

As opiniões expressas nesse site são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião de seus editores.

Site criado por JP Carvalho da JPGraphix, para Metal No Papel 2017 / 2020 - Todos os direitos reservados.

O site Metal no Papel tem sede à Rua Joaquim do Lago, 339 Casa - Balneário Mar Paulista, São Paulo, SP

CEP: 04463 - 080 - mnp.metalnopapel@gmail.com