• Andre Santos

KROMORTH - Geodesic Beast 2018, prova que a resistência e a estabilidade do Underground brasileiro


Nacional

Selo: Independente

Após o seu novo e recente trabalho, a banda do Centro Oeste de nosso País, Kromorth formada em Cuiabá/MT, vem se destacando com o trabalho do sucessor de “In The Name Of Kutulu”, seu primeiro Single de 2000.

Kromorth está na estrada há 19 anos, mas devido alguns percalços a banda entra em um período de hiato, e, nada disso veio a desanimar o seu co - fundador, que logo retoma as atividades da banda em 2012, ganhando uma verdadeira estabilidade em meados de 2015, onde seus repertórios começam a ganhar corpo, no que resultaria nesta verdadeira devastação do Death Metal Brasileiro.

O segundo projeto de trabalho do quarteto carrega o título de "Geodesic Beast”, lançado justamente em 2018, onde a banda completa 19 anos de vida. Como o próprio nome do disco carrega, o título utilizado pelo quarteto, é atribuído a uma “cúpula”, estruturas utilizadas pelas civilizações da antiguidade, sendo uma forma de representar estabilidade e resistência, o que veio muito bem a casar ao disco, provando que nosso Underground ou mesmo qualquer vertente do Metal tem o seu espaço e que está presente para quebrar qualquer fronteira.

Enfim, Geodesic Beast, trás consigo 12 faixas devastadoras e, é carregado de muita potência, onde com toda certeza irá estripar os seus tímpanos de uma forma bem agradável (é claro aos amantes do gênero extremo). O “petardo” soa extremamente pesado dando a impressão de ser um rolo compressor, e, o principal combustível dessa máquina é a fúria, pois o álbum foi todo pensado neste ponto, onde justamente teve a mão de Thiago Hospede e Trek Magalhães, na parte de masterização e mixagem, realizadas no Lamparina Studio/SP, e, as gravações ocorrem no Da Tribo Studio/SP. Já a parte de arte para o disco ficou a cargo do artista Rafael Tavares, onde o mesmo aplicou um clima “tempestuoso” ao disco, já que o mesmo trás este lado denso e agressivo.

E toda a potência de Geodesic Beast já é sentida na pele pelo ouvinte na abertura da audição, já que a intro para entrar na faixa “Geodesic Beast” foi produzida por Moyses Kolesne (Krisiun). Após um clima soturno, o poderio do quarteto chega espancando os tímpanos, riffs densos e acordes de extremo peso são lançados na audição. Já em seguida, temos a “Human Deception”, que vem contida de riffs densos com uma certa pitada da vertente Black Metal, acompanhados de um gutural extremamente urrado, com solos na medida certa, bem combinados nas camadas da composição. “Kromorthian Warrior” é explosiva, de uma carga gerada pelos os Blast Beats, onde notamos constantemente ataques aos pratos.

Seguindo a densidade imposta, temos a faixa “Catatonic Fury”, seguida de “King Pan”, duas toneladas esmagadoras de tímpanos. Ufa! Chegamos na metade do “Petardo”, e, não tenham dúvidas, o disco é de tirar o fôlego, não dá uma pausa para respiramos, pois é uma porrada atrás da outra.

“Descendants Of Serpent”, é a responsável pela metade do disco, onde dá a sequência a desgraceira toda. A “Satanic Etny”, já chega com os dois pés no peito, com acordes pesadíssimos, a bateria soa como um tanque de guerra (Panzer) destruindo tudo no caminho.

E a devastação é comandada pela faixa “ Hymn Of Apocalypse”, acompanhada de “Fire Of Transmutation”. Esta é mais uma faixa de solos bem encaixados, resultando em um bom clima.

As explosões nesse álbum não se contém, pois as faixas encarregadas para o encerramentos dilacera os seus tímpanos. As faixas “Enemies On Fire”, “The Illuminati “Annihilate the Nazarene”, são verdadeiros “rolos compressores”, pois a cozinha trabalha muito bem esta parte rítmica para dar essa impressão, fora os vocais extremamente pesados e bem encaixados nos acordes ríspidos.

De fato este primeiro álbum de estúdio lançado pelos Mato Grossenses soa como uma máquina sedenta de combustível (o que será de fato os seus ouvidos). Geodesic Beast, é uma boa pedida para o fã de música extrema, pois a banda Kromorth, apresenta um Death Metal muito bem executado, aliados a certas pitadas do Black Metal, presentes na parte harmônica do álbum. PARABÉNS galera!

Tracklist:

1. Geodesic Beast

2. Human Deception

3. Kromorthian Warrior

4. Catatonic Fury

5. King Pan

6. Descendants Of Serpent

7. Satanic Etny

8. Hymn Apocalypse

9. Fire Of Transmutation

10. Enemies On Fire

11. The Illuminati

12. Annihilate The Nazarene

Kromorth:

Rodrigo Auad – guitarra/vocal

Fabio Agassi – guitarra

Lincoln Lima – baixo

Elton Bernardino – bateria

Links para contatos:

Facebook/kromorth

Email/kromorth

#Álbuns #Bandas #Kromorth #Resenhas #ResenhasdeDiscos #GeodesicBeast #DeathMetal #MetalBrasileiro

As opiniões expressas nesse site são de responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião de seus editores.

Site criado por JP Carvalho da JPGraphix, para Metal No Papel 2017 / 2020 - Todos os direitos reservados.

O site Metal no Papel tem sede à Rua Joaquim do Lago, 339 Casa - Balneário Mar Paulista, São Paulo, SP

CEP: 04463 - 080 - mnp.metalnopapel@gmail.com