• Maria Correia

Clandestinas: banda formada por mulheres segue em divulgação do álbum de estreia


A banda Clandestinas surgiu, em 2017, da necessidade de se fazer ouvida em seus questionamentos sobre padrões de gênero e sexualidade, utilizando a música como ferramenta de luta.


"Nós, Clandestinas, existimos e junto com todas as mulheres, continuaremos incomodando e gritando arte e luta. Com as nossas músicas, os nossos corpos e com os nossos afetos, combatemos o machismo, o patriarcado, o racismo, a LGBTfobia e todas as várias formas de opressões estruturais", afirma a banda.

Em maio de 2020 a banda lançou o álbum de estreia álbum intitulado "Clandestinas", que está disponível em todas as plataformas de streaming. O álbum traz 13 canções que sinalizam um caminho e quem o percorre vai, aos poucos, conhecendo melhor a banda Clandestinas, suas bandeiras de luta e seu modo de fazer arte.


" Este é um álbum conceitual e algumas paisagens podem ser reconhecidas ao longo da travessia. Vozes ecoando inquietações feministas numa perspectiva interseccional, dores, abusos e denúncias por uma sociedade mais justa, formas de amar fora dos padrões hetero-cis-normativos, gritos de luta e resistência. E como a jornada é transformadora, os passos de quem a aprecia vão construindo, de forma autônoma, suas próprias veredas libertadoras" - enfatiza a banda.


Lyric vídeo, canção "Rotina":

Ficha técnica:

participações especiais: Aline Maria Luana Hansen Mariah Duarte Produção artística e mixagem: Marianne Crestani engenharia de som, mixagem e masterização: Helena Duarte

Artes do álbum e do logotipo: Emilia Santos

CLANDESTINAS | rock & luta | FEMINISTA & LGBT

Alline Lola (guitarra & voz)

Camila Godoi (contrabaixo & voz)

Natalia Benite (bateria & voz)


Links:

Instagram: @bandaclandestinas

Facebook: @bandaclandestinas

Twitter: @b_clandestinas

YouTube: CLANDESTINAS