top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

Fuzz On Discos lança debut do Krisiun pela primeira vez em vinil


"Black Force Domain", álbum de estreia do Krisiun, foi originalmente lançado em CD em 1995 e nunca havia saído em vinil

A Fuzz On Discos, que agrupa a Anomalia Distro, Melômano Discos e Neves Records, abriu a pré-venda para o lançamento em vinil de "Black Force Domain", álbum de estreia do Krisiun. O LP, em vinil vermelho, traz encarte e bônus de "Total Death" do Kreator. A Fuzz On informa que as 100 primeiras cópias da pré-venda, com envio programado para o dia 5 de junho, virão também com um slipmat (feltro) exclusivo.


O baterista Max Kolesne recorda que o primeiro disco do Krisiun foi gravado "em São Paulo na raça, inspirado no ódio e no espírito de revolta e vingança contra tudo e todos". Segundo Max, o repertório é carregado de fúria, velocidade e agressão. "Subversivo, técnico, caótico e cru, 'Black Force Domain' não só definiu nosso estilo, mas quem é o Krisiun. Por isso, sempre estará entre meus prediletos e será fonte de inspiração para cada novo trabalho do Krisiun. Espero que continue inspirando as novas gerações que não seguem modas. E, claro, estamos muito felizes com o lançamento em vinil no Brasil!", acrescentou.


Gravado por Alex Camargo (vocal e baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria) no Army Studios (SP), o debut sucede o EP "Unmerciful Order" (1994). Lançado originalmente em CD pela Dynamo Records no Brasil e relançado pela alemã Gun Records em 1997, "Black Force Domain" é motivo de orgulho para a cena do metal extremo brasileiro. "Revolucionário! Tomou de assalto toda a cena do death metal mundial. Um dos meus discos favoritos de todos os tempos. Percebe-se até hoje a quantidade de bandas que seguiram a mesma linha e proposta, todos fortemente influenciados pelos 'três diablos'!", declarou o baterista Edu Lane (Nervochaos) certa vez à revista Roadie Crew.


O guitarrista Moyses Kolesne recorda que "Black Force Domain" foi gravado no estúdio Army, que tinha o ex-guitarrista da banda Salário Mínimo, Arthur Crom, como um dos sócios e depois lançou, como selo, o primeiro trabalho do vocalista Edu Falaschi no Split-LP Mitrium e Sweet Pain. "Gravamos nos estúdio Army através de uma permuta que o Eric de Haas tinha com o dono. Ganhamos duas semanas, sendo uma para gravar e a outra para mixar. Então, gravamos guitarra e bateria ao vivo já valendo, sem overdubs, e somente botamos umas dobras e solos depois junto com baixo e vocal. Por sinal, usamos aquela famosa bateria do fogo da Luthier Drums, do Tibério Correa (Harppia), que Exciter, Venom, Metallica e Sepultura já tinham tocado. Gravamos em dezembro de 1994 e depois tivemos que esperar até fevereiro de 1995 para mixar e finalizar algumas coisas".


Se no Brasil ainda ninguém entendia muito do death metal mais moderno e com mais técnica de blast beats, dois bumbos, bomb blast e outros elementos, o Krisiun sofreu, segundo Moyses, pela falta de informação. "A garra e vontade superaram as adversidades e esse álbum abriu as portas para o Krisiun. Depois de lançado, começaram a aparecer os caras da Flórida falando que era um dos melhores álbuns de 1995. Saiu na Metal Maniacs, RIP, Metal Forces e outras revistas. Trey Azagthoth, do Morbid Angel, fui umas das pessoas que ajudou muito, botando o 'Black Force Domain' no topo dos melhores álbuns para eles naquela época", concluiu o guitarrista.



Nota na ASE Music: https://tinyurl.com/3mc3x22z


Fonte: ASE Music Press

Comments


bottom of page