• Maria Correia

Luno questiona sociedade no conceitual Homo Pacificus


Disco é o primeiro solo do ex-baixista da lendária Plástico Lunar

Jazz, rock, psicodelia nordestina e o misticismo da música indiana são a tônica de Homo Pacificus, o primeiro solo de Luno Torres (ex-Plástico Lunar), que aqui assina apenas como Luno. O disco tem nove faixas e é conceitual, entre críticas bem humoradas sobre valores sociais contemporâneos e transes sonoros.

Ouça Homo Pacificus aqui: https://linktr.ee/lunotorres.

Em Homo Pacificus, Luno mostra um olhar tragicômico sobre a condição humana, e questiona as construções sociais. "É um disco conceitual, que clama por uma existência mais harmoniosa entre o ser humano, sua psique, desejos e paixões", conta o músico. As letras navegam por crenças, expectativas, decepções e a busca por equilíbrio e soluções para o mundo. Além de ser um disco de rock, algumas passagens psicodélicas podem ser bem convidativas para um bom momento do transe sonoro proposto por Luno neste registro.

Junto à Luno, no baixo e vocais, estão mais dois nomes conhecidos na música de Sergipe, com reconhecimento nacional. O power trio é completo por Léo Airplane (piano, sintetizador e efeitos sonoros) e Gabriel Perninha (bateria e percussão).

"Gabriel Perninha é o baterista da banda The Baggios, que tem circulação internacional e duas indicações ao Grammy Latino. Os trabalhos indicados ao prêmio foram, inclusive, mixados por Léo Airplane, grande músico [integrante da Plástico Lunar e egresso da banda Naurêa] e também produtor musical do disco Homo Pacificus", destaca Luno.


Referências e Influências A sonoridade do "Homo Pacificus" traz influências sofisticadas do jazz em meio ao rock e à psicodelia nordestina, entrando em atmosferas místicas da música indiana.

Mas também é possível perceber passagens pelo folk, blues, samba rock, jovem guarda, rock rural e música circense. "Algumas das bandas e artistas que foram referências na construção deste disco são: Mutantes; Arnaldo Baptista; Som Nosso de Cada Dia; Sá, Rodrix e Guarabira; Ednardo e o pessoal do Ceará; além do rock britânico dos Beatles, Kula Shaker e Syd Barrett", revelou Luno.


Sobre Luno Baixista, compositor, vocalista e violonista, Luno Torres iniciou carreira com a icônica Plástico Lunar, banda de rock e psicodelia com expressiva importância no circuito nacional. Além de se lançar em carreira solo, o músico atualmente integra também importantes projetos da cena musical sergipana, como a visceral “A Banda dos Corações Partidos” e a híbrida poético-musical “Madame Javali”.


Luno nas redes facebook.com/lunotorres instagram.com/lunotorres

Crédito: Gabriel Barretto

Ficha técnica de Homo Pacificus

Álbum gravado entre fevereiro de 2019 e dezembro de 2020, nos estúdios Orí Estúdio e Disco de Barro, ambos em Aracaju (Sergipe)

Luno Torres: baixo, vocal e backing vocal Perninha: bateria Leo Airplane: piano, mellotron, sanfona, sintetizador, programações e backing vocal

Mixagem e masterização: Leo Airplane Produção musical: Leo Airplane e Luno Torres Concepção gráfica: Gabriel Barretto


Este é um projeto apoiado pelo Edital Prêmio Janelas para as Artes, da Prefeitura de Aracaju, por meio da Funcaju (Fundação Cultural Cidade de Aracaju), com recursos da Lei Aldir Blanc.


Fonte: Tedesco Comunicação & Mídia