top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

The Cult compartilha novo single “A Cut Inside”


The Cult compartilhou a nova música “A Cut Inside”, do seu próximo álbum Under The Midnight Sun<https://cult.ffm.to/utms.> . Um destaque do álbum, “A Cut Inside” monta a liderança elétrica ágil e ritmos hipnóticos do guitarrista Billy Duffy, com o vocalista Ian Astbury olhando a comunidade ao seu redor com suspeita. “Nenhum pagão no céu/ Sem doce rendição/ Forasteiros para sempre/ Fantasmas de nossas vidas”, ele se emociona. A canção se recusa a ser contida. Ouça “A Cut Inside” AQUI “A Cut Inside” segue o single de estreia “Give Me Mercy,” música que Consequence diz que “se sente classicamente do Cult, já que a banda envolve suas influências de rock gótico com um brilho moderno.” Ouça “Give Me Mercy” AQUI Under the Midnight Sun foi produzido por Tom Dalgety (Pixies, Ghost, Royal Blood) e será lançado dia 7 de Outubro via Black Hill Records.


Faça o pre-order AQUI <https://cult.ffm.to/utms.> .

E a banda também revelou as oito faixas que compõem o disco. Under The Midnight Sun tracklist: 1. Mirror 2. A Cut Inside 3. Vendetta X 4. Give Me Mercy 5. Outer Heaven 6. Knife Through Butterfly Heart 7. Impermanence 8. Under The Midnight Sun

The Cult anunciou recentemente a adição de datas da turnê de outono à sua programação com a nova temporada começando em 15 de setembro em Vancouver, BC no Hard Rock Casino e concluindo no The Greek Theatre em Los Angeles em 9 de outubro com o Black Rebel Motorcycle Club como o principal suporte para esse show. Ingressos para todos os shows estão disponíveis aqui. Quando o sol simplesmente não deixou o céu uma noite na Finlândia, Ian Astbury notou. Caminhando pelos terrenos do festival Provinssirock, Astbury se viu deleitando-se com o momento surreal, quase oculto, que vem com o “sol da meia-noite”, o trecho de verão onde o sol não se põe ao norte do Círculo Polar Ártico. “São três da manhã, o sol está nascendo e há todas essas pessoas bonitas neste momento tranquilo”, lembra Astbury. “As pessoas estão deitadas na grama, beijando, bebendo, fumando. Havia fileiras de flores na frente do palco das apresentações daquela noite. Foi um momento incrível”. Enquanto revisava imagens de arquivo da performance, Astbury encontrou um novo misticismo naquele momento e o imbuirá no próximoUnder the Midnight Sun. Levando a 2020, o The Cult estava em um ciclo contínuo de lançamento de álbuns, turnês e gravações. À medida que o mundo se fechava e todos eram forçados a redefinir a forma como abordavam a vida e o trabalho. “Quando o mundo parou, tive esse momento de escrever em tempo real, de calcular”, diz Astbury. Quando o bloqueio foi suspenso e o grupo pôde se reunir para gravar, eles se uniram a Dalgety. “Fui compelido por esta visão, esta anomalia, esta memória, de estar sob o sol da meia-noite. Tom nos ajudou a trazer uma nova forma e frequência musical ao nosso processo.” Liricamente, Under the Midnight Sun reforça essa nova destreza musical, construindo a partir da visão idílica e surreal em seu título. Por toda parte, Astbury atrai influências de Brian Jones, Brion Gysin, William Burroughs, Budismo, Beats e Age of Aquarius, todos sombreados com a ameaça persistente do presente e a paleta de cores atemporal do Cult. Como o The Cult agora está voltando a se apresentar ao vivo e compartilhando Under the Midnight Sun, Astbury espera que o disco se conecte a algo profundo e subconsciente em seus ouvintes - algo que Astbury encontrou dentro de si quando teve o momento de procurá-lo. “No centro de tudo, a música contém a frequência vibracional de como nos comunicávamos antes mesmo de podermos falar”, diz ele. “Cantos de pássaros, chamados de animais, teoria das cordas, física quântica, psicodélicos. O disco, em última análise, é sobre encontrar e unir a beleza naqueles momentos estranhamente naturais.”


Conecte-se com The Cult Official Website


Fonte: Catto Comunicação

Comments


bottom of page