top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

Trio stoner Muladhara estreia com a potente Pangea


Arte: Sérgio Carvalho

Banda carioca fez o show de abertura para os suecos do Asteroid no Rio de Janeiro, em 2019

O power trio stoner Muladhara solta via Abraxas Records o single Pangea, música instrumental com peso e passagens progressivas que antecede o lançamento do EP de estreia, Bender.



Pangea é um petardo psicodélico e progressivo de oito minutos, com diversas passagens climáticas e pesadas. Uma viagem transcendental criada pela Muladhara pelo continente Pangea, o único do planeta Terra há cerca de 540 milhões de anos, quando todas as porções de terra que conhecemos hoje eram colados.


A ideia foi concebida pelo baterista Daniel Blanco, que sentia uma grandeza na música, uma sensação de continuidade interminável que remetia a paisagens colossais que variavam de acordo com momentos calmos e explosivos da música. Maezaka (baix0) e Francisco Carvalho (guitarra/voz) completam a banda.


O Francisco foi quem introduziu a banda Camel aos demais integrantes e foi paixão imediata. Ele sente que essa referência com certeza transpareceu em Pangea.


O início de Pangea é bem convidativo e vai despertar atenção até mesmo do público fora do nicho do rock psicodélico. "Pangea mostra bem como a nossa banda não se importa com as 'fórmulas' musicais convencionais. É uma faixa que mostra como a gente deixa as nossas músicas irem pra onde elas querem e só ficam prontas quando querem", comentou o trio.


Pangea, assim como o EP, que chega ao streaming em maio, foi gravado no estúdio ForestLab, no Rio de Janeiro, com o engenheiro de som Lisciel Franco, resistência e referência de gravação analógica no Brasil. Todas as músicas foram gravadas ao vivo e na fita com ajuda de equipamentos que o próprio Lisciel construiu à mão.

Crédito: Divulgação

Muladhara nas redes sociais


Fonte: Tedesco Comunicação & Mídia

留言


bottom of page