• Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Google+ Icon
  • Grey YouTube Icon

          Site criado por Ygor Nogueira, da Noguer Art Design, para Metal No Papel. 2017 Todos os direitos reservados.

Metal no Papel é um novo projeto desenvolvido recentemente com o único intuito de propagar o Metal e suas vertentes sem degradação e, sim, de alguma forma trazer o devido apoio às bandas brasileiras, contemplando as notícias e informações pertinentes ao público devido.

 
Seus colaboradores e idealizadores estão sempre presentes, na ativa, para proporcionar aos leitores, bandas e também àqueles que, mesmo em meio as adversidades, trilham um caminho árduo em produções de eventos, enriquecendo nossa cultura, para que o METAL não perca sua essência.

 

Bem vindos ao Metal no Papel!

Finlandesa Força Macabra toca no Música Extrema do Sesc Belenzinho com abertura de Kovaa Rasvaa

November 9, 2018

By – Verbena Comunicações

 

O projeto Música Extrema do Sesc Belenzinho apresenta no dia 17 de novembro, sábado, às 21h30, show da banda finlandesa Força Macabra, que homenageia o Punk e o Metal brasileiro dos anos 80. A apresentação tem abertura com o grupo de Hardcore Kovaa Rasvaa, também da Finlândia.

 

Neste show, a Força Macabra - que canta Hardcore em português - mostra repertório do disco Nos Túmulos Abertos, primeiro registro da carreira, lançado em 1995, que será tocado pela primeira vez na íntegra. A banda também apresenta as melhores músicas de todas as eras da banda.

 

Os fundadores do grupo não tinham outra conexão com o Brasil, exceto o amor fanático pelo underground brasileiro. Suas principais influências são bandas de Thrash Metal e Hardcore Punk da cena brasileira como Armagedom, Lobotomia, Ratos de Porão, Dorsal Atlântica, MX, Anthares, Chakal e Sarcófago. Além de cantar em português, os músicos usam nomes brasileiros para compor os seus. A banda tem Oswaldo ‘Taurus’ Extermínio (no vocal), Heiko ‘Abutre’ E. Hate (na guitarra), Pedro ‘Porco’ Anthares (no baixo) e Oscar ‘Deadbrain’ Antítese (na bateria). O baixista original Jaba MX Chakal também participa da apresentação.

 

A necessidade de gravar um LP era clara, em 1994, quando a formação já era estável com dois EPs gravados com as bandas Corpus Christi, Homomilitia e Crocodile Skink, que foram lançados por vários selos em países e continentes diferentes. O selo belga Genet se ofereceu para lançar o álbum. A banda retornou ao mesmo estúdio para gravar e mixar Nos Túmulos Abertos, em apenas um dia.

 

Ao contrário das gravações anteriores, vários problemas ocorreram. Pedro Anthares estava de ressaca e não conseguiu encontrar um som de guitarra adequado. A microfonagem e o timbre da sua guitarra Les Paul genérica também não ajudaram muito. Oswaldo havia perdido a voz nos ensaios do dia anterior e a sessão dos vocais foi um tormento, só conseguindo gritos forçados e agonizantes. A bateria de Oscar Antítese e o baixo de Jaba MX Chakal foram muito fortes durante a gravação, mas o som resultante foi mais áspero que o planejado. Ficou claro que não houve tempo nem conhecimento para um resultado melhor. Apesar destas questões, não havia outra opção e o disco Nos Túmulos Abertos foi realizado a partir dessa gravação.

 

A faixa-título e Este Mundo foram as únicas composições novas. Também foi incluído um cover de Asilo na Existência, da banda Armagedom, o mais influente ídolo da Força Macabra, e o título ‘nos túmulos’ está diretamente ligado às letras sombrias do disco Silêncio Fúnebre da Armagedom. A influência é perceptível também na capa dupla do disco que, ao abrir, tinha a imagem de lápides num cemitério, e o verso era réplica total de Silêncio Fúnebre. A foto foi tirada nos pilares em frente ao parlamento finlandês. As demais faixas do LP são: Este Mundo, Outra Guerra Outra Vítima, Que Será o Fim da Terra, Medo, Alma Sofredora, Apanhado, Asilo na Existência, Eu Não Preciso do Sistema, Em Guerra e Tu Pagas.

 

Depois de mais de 20 anos, o álbum é reconhecido como a gravação mais ‘brasileira’ da Força Macabra, sendo o preferido por muitos fãs; talvez pelo fato das melodias dos discos posteriores flertarem mais com Heavy Metal. O álbum Nos Túmulos Abertos traz a essência do som da banda: puro Hardcore Thrash agonizante e agressivo, inspirado na cena Punk dos anos 80 brasileiros e realizado por maníacos finlandeses nos anos 90.

 

 

Força Macabra - Foi formada, em 1991, por dois entusiastas da música Punk do Brasil: Oscar ‘Deadbrain’ Antítese (bateria) e Oswaldo ‘Taurus’ Extermínio (vocal e guitarra). A ideia era tocar Hardcore com letras em português, respeitando a tendência brasileira com seu som sujo e agressivo. Não saber nada de português nunca foi obstáculo. Roberto ‘Necrofago’ tornou-se o baixista, e, depois de apenas um ensaio, a banda gravou a primeira fita demo. A música Destruição, Morte e Dor foi a estreia em vinil e integra uma compilação Headquarters (Slode Records). Em 1992, gravou a demo Para Agonia e Morte, que teve três músicas em uma compilação/CD internacional, I Kill What I Eat. Com a formação duradoura estabelecida, com Oswaldo Extermínio, Pedro Anthares, Jaba MX Chakal e Oscar Antítese, passou a participar dos shows Punk na Finlândia. EM 1993, gravou três novos EPs com músicas próprias e covers das bandas brasileiras Armagedom, Lobotomia e Ratos de Porão. Dois anos depois, veio o primeiro LP Nos Tumulos Abertos. A partir de 1997, surgiram influências de Thrash Metal e a banda gravou um EP, sem nome, lançado por selos da Finlândia, Republica Tcheca, EUA e Japão. Na sequência, veio um LP junto com Javier da Armagedom, Os Meus Olhos Só Veem Dor, época em que o guitarrista alemão, que vivia na Finlândia, Heiko ‘Abutre’ E. Hate juntou-se à banda e que o selo brasileiro Rasura Records lançou um CD da Força Macabra junto com a brasileira Ulster. Em 2000, veio o LP Caveira da Força (Mind Control) e logo depois Chakal deixou o grupo, que assumiu-se quarteto com Pedro Anthares trocando a guitarra pelo baixo. Em 2002, aconteceu a esperada turnê pelo Brasil, o lançamento no país de Caveira da Força em CD e a participação na coletânea Histeria. Depois gravaram dois EPs com clássicos do Punk e Metal do Brasil. Outra turnê brasileira aconteceu, em 2005. O LP Aqui É o Inferno (Black Water) foi lançado em 2008. O álbum 25 Anos na Estrada (Svart), com novas músicas e versões recriadas, veio em 2016, considerado o álbum definitivo da banda. A Força Macabra já fez turnês pela Europa Oriental, Bélgica, Polônia, Japão, Reino Unido, Portugal, EUA e México.

 

O projeto Música Extrema do Sesc Belenzinho contempla gêneros e estilos como Noise, Heavy Metal, Hardcore e Grindcore.

 

Serviço

Show: Força Macabra

Abertura: Kovaa Rasvaa

Data: 17 de novembro. Sábado, às 21h30

Local: Comedoria (500 lugares).

Duração: 1h30. Não recomendado para menores de 18.

Ingressos: R$ 20,00 (inteira); 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6,00 (credencial plena do Sesc - trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes). Vendas pelo portal e unidades do Sesc. Limite de 4 ingressos p/ pessoa.

 

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000

Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

 

Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

Assessoria de imprensa - Período: 15/07 a 02/12/2018

 

VERBENA Comunicação

Eliane Verbena / João Pedro

Tel: (11) 2738-3209 / 99373-0181 - verbena@verbena.com.br

Sesc Belenzinho

Tel: (11) 2076-9762

imprensa@belenzinho.sescsp.org.br

SESC SP | Facebook | Twitter

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Entrevistas Recentes

November 10, 2018

Please reload

Resenhas Recentes
Please reload