• Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Google+ Icon
  • Grey YouTube Icon

          Site criado por Ygor Nogueira, da Noguer Art Design, para Metal No Papel. 2017 Todos os direitos reservados.

Metal no Papel é um novo projeto desenvolvido recentemente com o único intuito de propagar o Metal e suas vertentes sem degradação e, sim, de alguma forma trazer o devido apoio às bandas brasileiras, contemplando as notícias e informações pertinentes ao público devido.

 
Seus colaboradores e idealizadores estão sempre presentes, na ativa, para proporcionar aos leitores, bandas e também àqueles que, mesmo em meio as adversidades, trilham um caminho árduo em produções de eventos, enriquecendo nossa cultura, para que o METAL não perca sua essência.

 

Bem vindos ao Metal no Papel!

MOONCORPSE: Segundo álbum disponível em todas as plataformas digitais

March 29, 2019

By Wargods Press

O segundo álbum do MOONCORPSE, “King of the Damned”, já está disponível em todas as plataformas digitais, contendo nove faixas que transitam entre influências que vão de bandas clássicas como Bathory e Moonspell, até nomes mais recentes, como Carach Angren e Year of the Goat. Lançado no dia 14 de março, o CD teve produção assinada por Vitor Munhoz, antigo parceiro de banda do multi-instrumentista Thiago Gasulla, que já havia trabalhado na gravação do debut “In the Mouth of Madness” e do split com o Vallandur, intitulado “Ancient Doom”.

 

Ouça o álbum no Spotify:

https://spoti.fi/2TBrCv6

 

A temática lírica, como Gasulla já havia comentado, aplica sua paixão por temas de terror e fantasia, e no caso de “King of the Damned”, a temática gira em torno da história de um rei, que lidera a “legião da noite” (“Legion of Night”, segunda faixa do álbum). No decorrer da música o rei é exposto como uma figura desconhecida para então ser apresentado na faixa-título, onde sua história é apresentada. Em

 

“Death March (Ritual)”, que encerra o CD, há uma conjuração das tropas “mortas”, enquanto, segundo Gasulla, “as outras músicas acabaram se tornando um complemento com histórias de terror”. O músico ainda explica o fato de as faixas “Death March (Awakening)” (intro) e “Death March (Ritual)” (outro) serem praticamente iguais, abrindo e encerrando o trabalho: “O interessante de terminar o álbum com a faixa “igual” da abertura faz com que quando o CD começa, o CD termina, começando praticamente a mesma faixa, fazendo uma ligação entre elas.”.

 

A inspiração lírica de “King of the Damned” deve-se em grande parte na história do Kraven King, do universo Warhammer. Para quem não conhece, Warhammer é um jogo de guerra em miniatura de mesa com um tema de fantasia medieval que simula batalhas entre exércitos terrestres de diferentes facções. O jogo foi criado por Rick Priestley e sua primeira edição lançada em 1983.

 

As outras faixas abordam temas diversos, como “Wretched Queen”, a história de uma “drider” (no jogo de interpretação de Dungeons and Dragons, um drider é uma aberração que antigamente era um drow.

 

Driders são criaturas semelhantes a centauros no jogo, aparecendo como drow da cintura para cima, com suas porções inferiores substituídas pelo abdômen e pernas de aranhas imensas) que ataca suas vitimas após seduzi-las e as transforma em escravos, enquanto “The Graveyard” fala de um coveiro que se depara com o ressurgimento de mortos vivos. “Dragon of Chaos” aborda uma história de leviathan/serpente do gênesis, que destrói o paraíso. A musica traz a filosofia anti-cósmica e caosófica, enquanto “Ouija” fala de um homem que encontra o tabuleiro e resolve jogar; mas acaba possuído.

Contatos:

Facebook: www.facebook.com/mooncorpseofficial

Instagram: www.instagram.com/mooncorpse_official

Assessoria de Imprensa: www.wargodspress.com.br

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Entrevistas Recentes

November 10, 2018

Please reload

Resenhas Recentes
Please reload