• Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Google+ Icon
  • Grey YouTube Icon

          Site criado por Ygor Nogueira, da Noguer Art Design, para Metal No Papel. 2017 Todos os direitos reservados.

Metal no Papel é um novo projeto desenvolvido recentemente com o único intuito de propagar o Metal e suas vertentes sem degradação e, sim, de alguma forma trazer o devido apoio às bandas brasileiras, contemplando as notícias e informações pertinentes ao público devido.

 
Seus colaboradores e idealizadores estão sempre presentes, na ativa, para proporcionar aos leitores, bandas e também àqueles que, mesmo em meio as adversidades, trilham um caminho árduo em produções de eventos, enriquecendo nossa cultura, para que o METAL não perca sua essência.

 

Bem vindos ao Metal no Papel!

Sepultura lança o novo álbum Quadra

February 15, 2020

By Adriana Baldin

O disco marca a evolução da banda com elementos novos e inusitados, sem perda da essência

O ano de 2020 começa com novidade para o heavy metal. Sepultura lançou em, 7 de fevereiro, o álbum Quadra.

 

O lançamento foi mundial e simultaneamente em todas as plataformas musicais.

 

Para o Brasil e a América Latina a banda firmou parceria com a gravadora BMG.

 

Quadra foi inspirado no Machine Messiah, um disco diferente na história do Sepultura, com elementos inusitados.

 

São 12 faixas: Isolation; Means to an End; Last Time; Capital Enslavement; Ali Raging Void; Guardians of Earth; The Pen Tagram; Autem; Quadra; Agonyn of Defeat; Fear, Pain, Chaos, Suffering.

 

““Com o Quadra estamos explorando as possibilidades novas que o Machine Messiah trouxe. O lado A é mais tradicional, thrash metal, que representa o discurso do Sepultura, mas com elementos novos; o B é mais percussivo, com ritmos brasileiros; O C vai um pouco mais além com o violão, mais instrumental como característica geral. É ir um pouco mais além; e o D é aquela coisa mais ‘groovada’, lenta, com melodia. Quadra é uma consequência do crescimento do Sepultura”, explica Andreas Kisser, guitarrista da banda.

 

Um fato inédito é a participação de músicos convidados nos vocais. Quadra traz Emmily Barreto, do Far From Alaska, para uma das faixas.  “O vocal feminino casou muito bem com a voz do Derrick”, diz Kisser.

 

Isolation, com letra do vocalista Derrick Green, abre o disco. O single, apresentado pela primeira vez no Rock in Rio 2019, retrata o sistema prisional dos EUA.

 

“A prática desumana do confinamento solitário muda a estabilidade mental dos prisioneiros. Eles não são reabilitados, mas transformados para pior. Uma vez lançados de volta à sociedade, todos pagamos o preço pelo que foi feito com eles”, explica Green.

 

 “A faixa é mais tradicional, do thrash metal, mas tem elementos novos, como o coral e os arranjos de vozes que acompanha o Derrick.

 

Depois, a banda lançou a poderosa e imponente Last Time. Segundo Kisser, é um single com o qual muitos de nós podemos nos identificar ou encontrar nas relações que temos com outras pessoas que estão tentando superar um vício. Nos tempos em que vivemos, é uma luta que todos devemos enfrentar.

 

O disco foi gravado na Suécia e leva a produção de Jens Bogren, o mesmo do disco Machine Messiah, lançado em 2017. “Trabalhar com Bogren é sensacional. Foi fundamental. O produtor sempre é o quinto elemento da banda dentro do estúdio. Energia 100% dentro do disco. Ele expandiu a ideia de corais, de coisas de cordas. Foi um disco difícil de fazer, mas estávamos preparados. Bogren também mixou e masterizou o disco”, comenta Kisser.

Conceito de Quadra

A palavra “quadra” pode ser usada de várias formas, entre elas, para definir "quadra esportiva" que é uma área limitada com demarcações regulatórias, onde, de acordo com um conjunto de regras, o jogo ocorre.

 

“Todos nós viemos de diferentes quadras - países e nações com suas fronteiras e tradições, cultura, religiões, leis, educação e um conjunto de regras onde a vida acontece. Nossas personalidades, crenças, o modo de vida, a construção das sociedades e dos relacionamentos... tudo depende desse conjunto de regras com as quais crescemos. São conceitos de criação, Deus, morte e ética”, afirma Kisser.

 

A imagem é de uma moeda, que subjetivamente mostra a importância atribuída ao dinheiro. Nela, há um crânio que representa o conjunto de regras e as leis, e o mapa do mundo, delimitando as fronteiras de todas as nações.

 

 “Somos escravizados pelo dinheiro e medimos as pessoas e os bens materiais pelos conceitos de pobreza e riqueza. Independentemente da sua quadra, você precisa de dinheiro para sobreviver. Esta é a regra principal para jogar este jogo chamado vida”, explica.

 

O projeto da capa é de Christiano Menezes com produção executiva de Marcos Hermes.

 

Bio

Formado em Belo Horizonte, em 1984, o Sepultura passou a ser uma das principais figuras no cenário underground que florescia para o thrash metal.

 

Com sonoridade inventiva e exuberante e ao mesmo tempo crua e primitiva, a banda rompeu preconceitos ao fixar a América do Sul no mapa do metal assim como ajudou a dar forma para algo novo e brutal no heavy metal desde seus primeiros álbuns, Morbid Visions, Schizophrenia e Beneath The Remains. Obstinados a viajar para qualquer parte, o Sepultura construiu com firmeza uma das bases de fãs m

ais dedicada do planeta e, enquanto na década de 1990 muitas bandas tentavam se firmar criativa e comercialmente, os brasileiros conseguiram isso de ponta a ponta: em 1993, com Chaos AD, e em 1996, com Roots, clássicos instantâneos que provaram desde o lançamento serem extremamente influentes sobre várias gerações de músicos do metal.

 

A saída de Max Cavalera, frontman e membro fundador da banda em 1997. poderia ter descarrilado um grupo menos focado, mas mais tarde, naquele mesmo ano, a convocação do vocalista Derrick Green se provou um golpe de mestre.

 

As duas últimas décadas assistiram o Sepultura evoluir, diversificar e prosperar com o lançamento de uma sucessão de registros devastadores que adicionaram muita profundidade à ilustre biografia da banda.  Da indiscriminada euforia causada pelo primeiro registro de Green no grupo, Against (1998), à Roorback (2003), para o brilhante e com riffs que guiam ao futurismo, Kairos (2011) e o extremamente aclamado The Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart (2013), produzido por Ross Robinson, o progresso do Sepultura tem sido perpetuado com sua integridade artística impecável.

 

O álbum Machine Messiah é um disco com músicas cuidadosamente elaboradas, desafiadoras e impactantes. Lançado em 2017, traz o casamento perfeito entre os melhores solos de Andreas Kisser e a voz potente de Derrick Green, dois gigantes do heavy metal mundial.

 

Sonoridade e riffs bem encorpados são a essência do álbum. As faixas têm características únicas e não deixam de marcar a inovação musical do Sepultura.

 

Iceberg Dances, por exemplo, faz a guitarra de Kisser praticamente falar. “Há muitos elementos novos nesse disco e isso é algo que sempre fazemos. “Sempre colocamos 100% de energia e paixão. Falamos muito sobre tudo, especialmente quando chega a parte das letras e encontrar o melhor caminho para expressar o que queremos dizer”, afirma Kisser.

 

Andreas Kisser (guitarra), Derrick Green (vocal), Paulo Jr. (baixo) e Eloy Casagrande (bateria) celebraram em 2020 os 36 anos de existência do Sepultura. Derrick está há 23 anos à frente dos vocais da banda.

 

Em 2020, o Sepultura evolui e inova com o álbum Quadra.

Links:

Site: www.sepultura.com.br

Facebook: www.facebook.com/sepultura

Instagram: @sepultura

Twitter: https://twitter.com/sepulturacombr

YouTube: https://www.youtube.com/user/sepulturacombr/featured

 

Assessoria de Imprensa

Adriana Baldin

imprensa@sepultura.com.br

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Entrevistas Recentes

November 10, 2018

Please reload

Resenhas Recentes
Please reload