top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

Celebração do melhor Rock Sleazy e Hard marca a edição do Glam Fest BR



Texto: Filipe Moriarty

Fotos: Alessandra Rosato

17h - Goaten (Brasil)

O power trio de heavy metal gaúcho, Goaten, foi o primeiro a se apresentar ainda no inicio de noite no festival, o grupo que acaba de lançar seu álbum de estreia, “Midnight Conjuring”, esquentou com maestria a noite, criando uma atmosfera inspirada nas obras dos escritores clássicos de horror cósmico.


Misturando Heavy Metal/ Hard Rock com temática ocultista. o grupo formado no início de 2018 em Porto Alegre conta com Francis Lima (Vocal e baixo), Rafael Drinkwine (bateria) e Daniel Limas (guitarra) apresentou faixas do seu mais recente trabalho Midnight Conjuring como “Metal Blade”, “Pride or Dust” e “Bells” estiveram presentes. Esteve presente também de passar por seus EPs como o The Following (2020) com “Mistress of Illusion”, “Nature of the Century” e “Hunting the Damned”, e o Crimson Moonlight (2021) com “Gypsie in th Night”.


Apesar do público ainda muito pequeno, foi notável a energia e desempenho do grupo, que tocou como se estivessem numa plateia imensa e não se deixaram levar pela situação. Abrindo os trabalhos para o próximo a se apresentar - Stevie Rachelle.


SETLIST Goaten

Mistress of Illusion

Finally Free

Metal Blade

Gypsies in the Night

Nature of the Century

Pride or Dust

Phantom Chaser

Sacrifice

Bells

Hunting the Damned


18h – Stevie Rachelle (Tuff – EUA)

O segundo a se apresentar foi o já “nacionalizado brasileiro”, Stevie Rachelle, conhecido por integrar o lendário grupo de Glam/Sleezy TUFF. Stevie já veio ao Brasil um punhado de vezes para tocar em eventos de porte menor, o vocalista veio para subsitituir o lendário Enuff Z'Nuff que cancelou sua passagem por aqui graças a problemas com produtor de outra turnê, o que inviabilizou toda passagem para a América do Sul.


O Tuff, apesar de ter sido formado em meados dos anos 80 em Phoenix, Arizona, nos Estados Unidos, lançou, apenas em 1991 seu primeiro álbum “What Comes Around Goes Around”, já com Stevie nos vocais. Nesta noite, pudemos apreciar algumas das faixas deste disco como a classica “I Hate Kissing You Goodbye”,”So Many Seasons”,”Ruck a Pit Bridge” e “The All New Generation”. Faixas como “In Dog We Trust” e “God Bless the Mess” do Fist First de 1994. O Final da apresentação ficou com “Summertime Goodbye” do já citado álbum de 1991 seguido de um tributo que foi cantando em em uníssono por todos os ainda pouco presentes - You’ve Got Another Thing Comin’ do lendário Judas Priest. Em seguida e a clássica faixa que esteve no disco History of Tuff - “American Hair Band” - uma paródia de 'American Bad Ass' do Kid Rock (ambas incorporando os instrumentais de 'Sad but True' do Metallica). 'American Hair Band' fez referências a inúmeras bandas semelhantes da época, além de criticar o grunge e o rock alternativo - foi evocada, finalizando a apresentação de Stevie.


Antes de deixar o palco, o vocalista foi categórico ao incentivar a todos a comprarem e darem suporte as bandas comprando merchandising e que ele jamais apoia a ideia de “pagar” para conhecer seu artista, e que ele o faria de graça ali, que estaria disponível a todos e era grato por isso.


SETLIST:

God Bless This Mess

In Dogs We Trust

Ruck a Pit Bridge

Good Guys Wear Black

I Hate Kissing You Goodbye

So Many Seasons

Summertime Goodbye

You've Got Another Thing Comin' (Judas Priest cover)

The All New Generation

American Hair Band


19h20 – Pretty Boy Floyd (EUA)

Foi aqui, já as 19h20, que o público compareceu em maior número, no Pretty Boy Floyd.

O Pretty Boy Floyd é uma banda também americana de glam metal originária de Hollywood, Califórnia, formada em 1987 e é conhecida por seu visual extravagante e comportamento excêntrico. Formado por Steve "Sex" Summers (vocal) e Kristy "Krash" Majors (guitarra) o grupo trouxe consigo JK Famous (baixo) e Kari Kane (bateria) para completar o time. A última aparição do grupo em terras brasileiras foi em 2010, desde então, passaram se 14 anos e nesta noite tivemos a chance de vê-los novamente.


Não faltaram os hits da banda: "Leather Boyz With Electric Toyz", "Rock and Roll (Is Gonna Set The Night On Fire)", "Your Momma Won't Know" e "Wild Angels”. Além do tributo ao Motley Crüe com “Toast Of The Town".


Além destas, foi possível ouvir faixas como “Good Girl Gone Bad” e “Restless” do álbum Porn Stars de 1999 e as faixas “48 Hours to Rock”, “Rock and Roll Outlaws”,” The Last Kiss”,”I Wanna Be With You” do álbum Leather Boyz With Electric Toyz de 1989 - álbum mais contemplado da noite.


Algo notável da apresentação é que mesmo após décadas de abusos, extravagâncias e as noites longas regadas a álcool, a voz de Steve "Sex" Summers mantém-se uma força da natureza, tão potente e jovial como nos dias de glória do hard rock dos anos 80. Com quase 40 anos de carreira, poderia-se esperar que os excessos cobrassem seu preço, (como cobraram de seu amigo, Vince Neil) mas Summers desafia as expectativas, elevando-se além das limitações convencionais. Sua voz, rugindo com uma intensidade que desafia o tempo, continua excelente, lembrando a todos que o verdadeiro talento transcende as adversidades da vida. Em um mundo onde o rock'n'roll pode muitas vezes ser cruel, Summers é uma prova viva de que é possível manter-se em atitude e qualidade.


A última faixa e a mais “recente” a ser executada foi “Saturday Night” do disco “The Vault” de 2002. Fechando a noite e abrindo os caminhos para a “estrela principal” da noite - o Crazy Lixx.


SETLIST:

Your Mama Won't Know

Toast of the Town (Mötley Crüe cover)

Leather Boyz with Electric Toyz

Rock and Roll (Is Gonna Set The Night On Fire)

Wild Angels

Good Girl Gone Bad

48 Hours

Rock and Roll Outlaws

The Last Kiss

I Wanna Be With You

Restless

Saturday Night


21h – Crazy Lixx (Suécia)

A banda sueca Crazy Lixx, formada em 2002 em Malmö, Suécia, é reconhecida por incorporar elementos da fase áurea do AOR - Hard e Glam, trazendo uma abordagem moderna à nostalgia dos anos 80 e carregando a tocha do rock n’ roll com orgulho desde seu álbum de estreia “Loud Minority”, lançado em 2007. Sempre cativando multidões, é destacada como uma das últimas bandas remanescentes da ‘Nova Onda do Sleaze Sueco’.

Atualmente liderada por Danny Rexon (vocais) e Joél Cirera (bateria), os únicos membros originais na formação atual, a banda se mantém em formação com Danny e Joél, Jens Anderson (baixo), Chrisse Olsson (guitarra) e Jens Lundgren (guitarra).


Abrindo com "Whiskey Tango Foxtrot" do disco Riot Avenue de 2012, o grupo veio como uma explosão de energia contagiosa, o Crazy Lixx rapidamente estabelece o tom para a noite. A multidão é levada à loucura quando "Hell Raising Women" do disco de 2014 invade os alto-falantes, com seu riff cativante e ritmo pulsante.


A jornada musical continua com "Rock and a Hard Place" do disco New Religion de 2010. Seguindo de "XIII" do Ruff Justice de 2017 mostra a habilidade da banda em criar hinos.

Em seguida, "Silent Thunder" do disco Forever Wild de 2019 toma conta do palco, envolvendo o público em uma atmosfera intensa e poderosa, a faixa com certeza é o primeiro ponto alto da apresentação.Os teclados marcantes e performance e a forma como Danny Rexon se movia e interagia com todos a todo momento era impressionante, mostrando-se alegre em estar ali.


Outro detalhe é que, assim como o Pretty Boy Floyd, o grupo se preocupa com o visual de suas apresentações e emula muito bem o estilo Hard Glam e Heavy Metal em palco, trazendo ainda mais a sensação de estarmos novamente em 1980. “Silent Thunder ajudou ainda mais a emular tamanha nostalgia.


A banda mostra ainda mais maestria ao executar "Rise Above", do seu mais recente trabalho - o disco Street Lethal de 2021. um Heavy Rock poderoso que explode os falantes, sem hesitar em nenhum momento. A energia do grupo é tanta, que o show não tem espaço para descanso - é hit atras de hit!


"Sword and Stone" do Bonfire, surpreendeu aqueles que não conheciam o Crazy Lixx afinal essa é uma faixa para aqueles que são fãs primeira geração do Hard/Glam. É notório que o Crazy Lixx entrega com uma paixão que faz jus à música original - eles sabem a fonte que bebem.


Em seguida, "Girls of the 80's" explodiu tudo e fez com que todos cantassem junto. Afinal esse é com certeza o maior hit do grupo. Em "Walk the Wire" do já citado Ruff Justice de 2017 o grupo se manteve enérgico e impecável, com seus riffs viciantes e refrões que não saem da cabeça. Uma belíssima e animada balada do grupo.


O Ruff Justice folta em foco com "Wild Child", enquanto "Two Shots at Glory" traz o álbum de mesmo nome de 2023 em voga. E em "Blame It on Love" o grupo volta 14 anos no tempo para celebrar o disco New Religion, trazendo o público para cantar novamente os refrões marcantes desta canção, que já um dos clássicos do grupo.


Não foi diferente em "21 Til I Die”, faixa que também está no disco de 2010 - O New Religion. É uma celebração da juventude e da rebeldia, com sua letra contagiante e ritmo pulsante que remonta e funciona como uma homenagem/ resposta ao Skid Row e seu “18 and Life”.


O fim chega com “Anthem for America" do Street Lethal onde o Crazy Lixx incendeia o palco com sua entrega apaixonada e energia inesgotável e a derradeira “Never Die (Forever Wild)" do disco de 2019 - esta última um já considerado hino do grupo sendo cantada por todos os presentes! Com isso, a banda deixa, mais uma vez uma impressão duradoura, mostrando que o espírito do rock n' roll continua e vai se passando por gerações a cada vez.



SETLIST:

Whiskey Tango Foxtrot

Hell Raising Women

Rock and a Hard Place

XIII

Silent Thunder

Rise Above

Sword and Stone (Bonfire cover)

Girls of the 80's

Walk the Wire

Wild Child

Two Shots at Glory

Blame It on Love

21 Til I Die

Anthem for America

Never Die (Forever Wild)


A noite no Carioca Club foi mais do que uma simples apresentação de bandas, foi uma celebração do melhor do rock sleazy e hard, uma experiência que ficará gravada na memória de todos os presentes. Desde o poderoso som dos calouros da cena, Goaten, até a energia contagiante do Stevie Rachelle e do Pretty Boy Floyd, e o clímax explosivo proporcionado pelo Crazy Lixx, cada momento foi repleto de paixão, talento e autenticidade.


Esta noite será lembrada, reafirmando a importância do rock n' roll de atitude jovem. A resposta entusiástica do público é um testemunho do desejo por mais noites como esta, onde a nostalgia se encontra com a inovação, e onde a música nos leva a lugares que só podemos alcançar juntos.


Que esta noite seja apenas o começo de uma série de eventos que nos transportam de volta à era de ouro do rock, lembrando-nos de que o espírito do sleaze e do hard rock está mais vivo do que nunca. Que venham mais noites cheias de riffs ensurdecedores, solos ardentes e batidas pulsantes - porque, afinal, o mundo sempre precisa de mais rock n' roll

Comentarios


bottom of page