top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

Sonata Arctica celebra a força do Metal Sinfônico em show memorável na Audio em São Paulo


Texto: Filipe Moriarty - @filipemoriarty

Fotos: Anderson Hildebrando - @andersonh_fotografia

Realização: Honorsounds - @honorsounds

Press: Camila Dias (Audio) - @acamiladias


Após uma longa espera de 3 anos e varias remarcações, Sonata Arctica finalmente invade o palco da Audio Club para celebrar o Metal Sinfônico com centenas de fãs


A abertura do evento ficou por conta da banda brasileira Firewing, que no ano de 2021 soltou para o público o seu primeiro EP intitulado Ressurrection e rendeu elogio da critica nacional internacional. O grupo surpreende bastante na performance ao vivo, afinal em estúdio se tem a presença de muito mais elementos do que é possível inserir ao vivo.


Na noite do dia 18, contando com Caio Kehyayan - guitarrista e fundador do Firewing, Jota Fortinho nos Vocais, Pablo Guillarducci no contra baixo e o baterista Victor Miranda, o grupo abusou de bases pré-gravadas para manter funcional a aura sinfônica de seu som e suprir a falta de um tecladista presente, mas nada que atrapalhe a imersão ou diminua a qualidade dos músicos ali presentes e um destaque para Jota Fortinho, que entregou vocais excepcionais e muito bem interpretados.

No repertório da apresentação tivemos a execussão de faixas do debut de 2021 como "Obscura Minds", "Demons of Society", "Far In Time", "Time Machine", "Eternity", 'How Deep is Your heart?", "The Meaning of Life" e encerrando o set com o mais recente single "Last Gasp" que teve sua divulgação pela Massacre Records.


O Firewing veio com um som muito superior a média das novas bandas e muito solido, isso só mostra o quanto a banda está pronta para crescer em relação a sua carreira.


Tudo muito bem executado, um baixo tecnicamente evidente e dinâmico ( tudo isso foi possível observar graças a um problema que se deu na terceira canção na qual o pedal de Caio deixou a guitarra muda), junto a uma bateria muito bem trabalhada no que se refere a composição, canções complexas mas que na mão dos integrantes parece algo simples de ser executado. Realmente preparou o terreno para banda seguinte de forma magistral.


Setlist Firewing

OBSCURE MINDS

DEMONS OF SOCIETY

FAR IN TIME

TIME MACHINE

ETERNITY

TALES OF EMBER & VISHAP: HOW DEEP IS YOUR HEART?

TALES OF EMBER & VISHAP: THE MEANING OF LIFE

LAST GASP


A banda finlandesa Sonata Arctica, formada em 1995 é sem duvida um dos grandes ícones do power metal mundial, e completou 25 anos de estrada em 2020. Porém, graças a pandemia que alastrou o mundo, essa comemoração teve de ser adiada não uma, mas três vezes.


Então, finalmente com fãs ansiosos e esperançosos há tanto tempo, eles chegaram na América do Sul em um show que nos transportou para uma viajem na linha do tempo de sua história. O grupo adentrou os palcos as 21h30 e com sua introdução clássica de "Always Look on the Bright Side of Life" - 'canção do clássico filme de Monty Python' que mostra a trajetória de um homem (Brian) que vive na mesma época de Jesus Cristo e é confundido como um Messias. A canção rapidamente se funde a The "Wolves Die Young" do albúm Pariah's Child e deixa o público que antes estava ansioso, agora extasiado e fervoroso. É então que antes de evocar "The Last Amazing Grays", Kakko saúda a todos aqueles presentes na noite e incita dizer o quão era bom ver a casa lotada mesmo após três anos de ansiedade da banda e do público.

Além de Kakko no vocal a banda trouxe consigo Tommy Portimo na bateria, Henrik Klingenberg nos teclados, Elias Viljanen na guitarra e Pasi Kauppinen no baixo.


Ao Longo da noite o Sonata Arctica tocou canções do álbum mais recente de sua carreira, o Talviyö, como "Storm the Armada" , "Paid In Full" do álbum Unia, "Sing in Silence" do álbum Silence, o Hit "Caleb" do álbum Unia de 2007 e "Kingdom For a Heart" do Ecliptica , além de muitas outras. O disco mais representado na noite foi “Silence”, de 2001. As três faixas “Sing in Silence” ,“Tallulah” e a já citada "Sing in Silence" trouxeram a nostalgia para os fãs mais velhos do grupo, que eram uma minoria naquela noite. Era visível que grande parte do público era de jovens que muito provavelmente aproveitaram a super promoção que antecedeu a apresentação (algumas semanas antes era possível achar ingressos a pague 1 leve 2) o que facilitou o acesso maior do público para o evento.

Quando “Black Sheep” foi tocada, o público entrou ainda mais em estado de euforia, como já havia acontecido com “Kingdom for a Heart”, a primeira música tocada do disco de estreia considerado um clássico do power metal 'Ecliptica'. A canção foi ovacionada no momento de sua execução, assim como “FullMoon”, canção cantada em coro pelo público e logo no momento de "encerramento" do show.


Quando a banda deixou os palcos, com público pedindo a execução de Replica, Kakko pode interagir e incitar a todos a execução da canção, prometendo cantá-la na próxima vez e assim puxando o Bis com "The Cage" e "Don't Say a Word" - faixa que encerrou em definitivo a apresentação.


Terminados de forma animada e descontraída, Sonata deixou um ar de que a força desse cenário do power metal que dominou o começo de 2000 ainda é forte e renova a cada vez mais seu circulo de admiradores. Mesmo com todos os problemas que envolveram sua vinda, o Sonata entregou uma excelente performance, algo que surpreendeu a mim e muitos ali presentes.

Setlist Sonata Arxtica

*ALWAYS LOOK ON THE BRIGHT SIDE OF LIFE*


THE WOLVES DIE YOUNG

THE LAST AMAZING GRAYS

STORM THE ARMADA

PAID IN FULL

SING IN SILENCE

KINGDOM FOR A HEART

CALEB

CLOSER TO AN ANIMAL

BLACK SHEEP

BROKEN

I HAVE A RIGHT

TALLULAH

FULLMOON

REPLICA (PARCIAL, À CAPELLA)

THE CAGE

DON’T SAY A WORD

Comments


bottom of page