top of page
  • Foto do escritorMaria Correia

Vader realiza show lotado em São Paulo após intensa tempestade


Texto: Karina Karla Moura

Fotos: Leandro Cherutti - @leandro_cherutti


Feriado prolongado muitas vezes é sinônimo de descanso e viagem, mas esta não foi a opção escolhida por algumas centenas de headbangers na cidade de São Paulo, pois no dia 3 de novembro haviam já se comprometido a prestigiar um dos maiores expoentes do death metal mundial e sem dúvidas, para mim, o maior do death metal polonês. Estou me referindo a lendária banda Vader, que está viajando o mundo com uma turnê comemorativa de 40 anos e que aterrissou na cidade de São Paulo no último dia 2 para dar início a parte sul-americana desta tour.

O local escolhido para este encontro maligno foi a casa de shows Jai Club, localizada no bairro Vila Mariana, mas especificamente na Rua Vergueiro 2676. Chegar até lá em teoria seria algo fácil, pois está muito bem localizada e próxima ao metrô Ana Rosa, mas as forças da natureza resolveram complicar um pouco, por volta das 15h45 o dia se tornou noite e a Cidade de São Paulo passou a sofrer com uma intensa e forte tempestade, com ventos fortíssimos acima de 100km/h e que espalhou o caos sobre a salva de pedra, deixando bairros sem luzes, alagamentos e quedas de árvores. A viagem que era algo simples para muitos se transformou em um tormento, mas isso não impediu que o público chegasse ao local e promovesse uma grande confraternização, antes, durante e pós show.


Vamos ao que interessa, às 21 horas a introdução MacBeth passou a soar no recinto e foi com este clima que os músicos foram se posicionando no pequeno palco. Esta intro preparou o terreno para que a excelente faixa “Decapitated Saints“ chegasse de forma avassaladora, liberando toda a energia contida em seus fãs. Na sequência tivemos a poderosa “The Wrath“ tema que faz parte do excelente EP Sothis de 1994. Sem perder tempo o quarteto mandou uma trinca matadora, que teve seu inicio com a execusão da ótima canção “Chaos”, na sequencia tocaram a poderosa “ Vicious Circle” e finalizaram esta triade infernal com “Dark Age”. Uma sequência mais que agressiva e que abriu os portões do inferno naquela noite, instalando a insanidade em cada um ali presente, loucura que foi traduzida em forma de moshipits pelos fãs mais animados.

No alto de seus 40 anos de carreira o Vader demonstrou que o passar dos anos só fez bem ao grupo, onde foi sendo moldado no decorrer das décadas pelo único integrante original e líder Piotr Wiwczarek, mais conhecido por todos por Peter. O mesmo as vezes recebe a fama de ser uma pessoa chata ou difícil de trabalhar por ser muito exigente, mas toda esta exigência é transmitida e refletida em seus discos e shows. Toda esta cobrança ficou bem evidenciada nesta noite com o decorrer do espetáculo com as faixas “Silent Empire”, “Carnal”, “Wings”, “Epitath”, “Dark Transmission”, “This is War” e “Helleluyah!!! (God Is Dead)” onde podemos notar toda a evolução técnica no decorrer dos dez anos que separam “Silent Empire” e “Helleluyah!!! (God Is Dead)”.


Atualmente a banda é formada pelo talentosíssimo guitarrista Marek “Spider” Pajak, que conduz com perfeição e muita técnica sua linda guitarra Jackson, o baixo está sobre o comando do preciso Tomasz Halicki, ou simplesmente Hal, ambos estão no grupo aproximadamente 13 anos. Para completar o time temos o baterista Michal Andrzejczyk, que se uniu a banda no ano passado.


Dando continuidade o quarteto seguiu de forma insana no palco e mandaram a composição “Triumph of Death” do excelente disco Tibi et Igni de 2014, toda esta energia que emanava do palco se refletia diretamente na pista através de rodas, gritos e pulos, os músicos colocaram um ponto final nesta impecável apresentação com uma faixa “Shock and Awe” que pode ser encontrada no último disco de estúdio intitulado Solitude in Madness de 2020. Os poloneses deixaram o palco ovacionados, ouvindo o tradicional coro Olê, Olê, Olêê, Vader! Vader!

Foi um show totalmente intimista, onde público e músicos estavam conectados na mesma e intensa vibe, uma sensação que poderia ser facilmente vista nos rostos de ambos, os músicos estavam felizes e após o show ficaram circulando pela casa, cumprimentando, tirando fotos e conversando com os fãs. Momento único, onde banda e público puderam retribuir toda a admiração de uma forma mais afetiva.


Setlist

Intro - Macbeth

1 - Decapitated Saints

2 - The Wrath

3 - Chaos

4 - Vicious Circle

5 - Dark Age

6 - The Crucified Ones

7 - Silent Empire

8 - Sothis

9 - Black to the Blind

10 - Carnal

11 - Wings

12 - Cold Demons

13 - Epitath

14 - Dark Transmission

15 - This is War

16 - Helleluyah!!! (God Is Dead)

17 - Never Say My Name

18 - Come and See My Sacrifice

19 - Triumph of Death

20 - Shock and Awe


Comments


bottom of page